Fazendas  
   
 
Fazenda da Água Limpa

Localizada na região de São Vicente de Paula, aproximadamente a 20 km de Lafaiete. Fundada pelo o Barão de Queluz em 1729. Sede produtora de agropecuária tem estilo das grandes fazendas coloniais. Atualmente é propriedade a família Franco.

Joaquim Lourenço Baêta Neves, o Barão de Queluz, era filho do comendador Joaquim Lourenço Baêta Neves e D. Maria Fortunata Monteiro de Barros Baêta Neves. Casou com sua prima D. Maria da Conceição Baêta Neves.

Foi o Barão, um dos que mais trabalharam pela elevação da Vila à cidade de Queluz. Foi presidente da Câmara Municipal, em 1853.

O Barão de Queluz foi Tenente Coronel da Guarda Nacional, tendo recebido o título de barão, por decreto de 24 de maio de 1873.


O clã dos Baêta Neves naquele tempo de Queluz, sempre encabeçava qualquer movimento que houvesse, fosse de caridade, religiosa ou político, assim é que no ano de 1870 a 1887, vamos ter o Barão como primeiro Provedor da Irmandade de Santo Antonio de Queluz.

Por sua iniciativa e trabalho pessoal, em 1879, iniciou a canalização de água do manancial que existia no Morro da Mina, canalizando-a até ao centro da cidade. Foi uma festa para o povo, quando viu a água jorrando sem parar, através das três bicas do chafariz. O Barão de Queluz, não pôde ver sua obra ser inaugurada em 1881, pois havia falecido em 1880



Fazenda Paraopeba  

A Fazenda Paraopeba faz limites com os municípios de Conselheiro Lafaiete e São Brás de Suaçuí. Segundo historiadores e especialistas da Inconfidência Mineira, estudos apontam que a propriedade tenha sido do inconfidente Alvarenga Peixoto. Nos Autos da Devassa, inquéritos que incriminaram os inconfidentes, há referência à essa fazenda com o nome de “Fazenda Covão”. Também nas Cartas Chilenas, conjunto de poemas do inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, há referência à fazenda Covão, outros argumentos como, distância e topografia, colaboram para essa conclusão.

Alvarenga Peixoto foi casado com a poetisa Bárbara Heliodora Guilhermina Silveira. Como inconfidente, foi preso em maio de 1798 e enviado a Corte. Durante interrogatório denunciou os companheiros. Condenado à morte teve sua pena alterada para o degredo em Angola, onde morreu, em 1793.


Construída por volta do século XVIII, a fazenda recebeu em anexo no final do século XIX. Hoje, parte dela está em ruínas, aguardando restauro.



Fazenda dos Macacos

A fazenda dos Macacos situa-se dentro dos limites de Conselheiro Lafaiete (antiga Queluz de Minas). Está distante quatro quilômetros da estação de Buarque de Macedo e doze quilômetros da sede do município de Conselheiro Lafaiete. De acordo com J. Rodrigues de Almeida, em meados do século XVIII, na disposição de permanecer em Minas Gerais, confiante que a lavoura representava na rica região, solidez, José da Costa de Oliveira (avô do futuro Barão de Pouso Alegre) adquire bens de raiz como escravos, lavouras, terras e entre esses bens, comprou a Fazenda dos Macacos.

A fazenda foi herdada pelo caçula de José da Costa de Oliveira, conhecido como Capitão Felisberto da Costa Pereira. Dentre seus nove filhos, herdou a Fazenda dos Macacos, Antônio Rodrigues Pereira (o barão de Pouso Alegre), que de sua união com Clara Ferreira de Azevedo, tiveram

dois filhos, Washington Rodrigues Pereira (grande jurista e político da região (grande jurista e político brasileiro). Antônio Rodrigues Pereira lutou contra Caxias na Revolução de 1842, ocasião em que foi condecorado. O tombamento da Fazenda dos Macacos deu-se em 1977 pois, além de ser uma fazenda centenária contendo uma vasta e riquíssima história, a família que ali viveu, foi de grande influencia política na região e Lafayette Rodrigues Pereira, de grande importância para o Brasil Império.

Quando D. Pedro II esteve em Queluz para inaugurar a Estação de Buarque de Macedo, parou na Fazenda dos Macacos para descansar e ali provou as deliciosas jabuticabas do pomar, ainda existentes. Em seu diário o Imperador relata:

“Descansei um pouco conversando com a família de Washington, filho do Coronel Pereira. Conversei com a mulher de Washington Pereira, filha do juiz Antônio Barbosa...” (...).
... "O barão era homem alto, de olhos claros, muito enérgico, educado e de boa saúde."

A origem do nome “Fazenda dos Macacos” ainda é um mistério, mas várias versões são apontadas como a real; uma justificativa para o nome seria a presença de muitos macacos atraídos pelas frutas da Fazenda. Outra seria a grande quantidade de escravos presentes na fazenda, uma possibilidade é comentada pela escritora D. Mariana Maria (neta de Lafayette), onde os portugueses eram chamados pejorativamente de macacos pelos brasileiros.

Enfim, tentaram em vão mudar o nome da fazenda para Fazenda da Constituição, Fazenda Pouso Alegre, mas a tradicional Fazenda dos Macacos se manteve através dos tempos e permanece ainda hoje aguardando a real justificativa de seu nome.
Por toda a sua história, curiosidades, vultos importantes e também por sua beleza arquitetônica que se faz merecer preservar, tão importante fazenda colonial, característica do Brasil Império, período onde conviviam escravos e famílias aristocráticas de Minas Gerais.

Atualmente na Fazenda dos Macacos onde funciona o restaurante foi transferido o Memorial do Conselheiro Lafayette Rodrigues Pereira, que se encontrava no Centro Cultural Maria Andrada Resende. Com a fundação do restaurante, o local está aberto à visitação pública e os freqüentadores têm trânsito livre por todos os cômodos e por toda a verdejante área externa da Fazenda.

O imóvel foi tombado pelo Estado e pelo Município.